domingo, 27 de janeiro de 2013


CAPRICHOS DA VIDA 

Segue tua estrada torta,
ó vida, além da porta
existe um mar de caprichos
em arabescos, em nichos,

só perdendo pra esperança,
tamanhos os fios que ela trança
nesta floresta habitada
por surpresas e mais nada.

À frente, sol e poeira
são tuas rotas verdadeiras
no deserto do destino.
Aqui chegaste, menino,

cantaste a canção do mundo,
mas um silêncio profundo
tirou o brilho do encanto
e sequer secou-te o pranto.

E o amor com que sonhaste
pegou da luz o contraste
e, sem ver, jogou-o ao vento
que turvou teu pensamento.

Certas coisas ninguém nota
é felicidade remota
bem camuflada na história
e no silêncio da memória.

Basilina Pereira

4 comentários:

Nadine Granad disse...

Sensível e doce!...

Beijos =)

Basilina disse...

Obrigada, Nadine. Adoro quando alguém se dá ao trabalho de vir aqui ler um poema, isso dá mais vontade de continuar escrevendo. Grande abraço.

MARIA CATHERINE RABELLO disse...

Oi!

Lindo!

"Certas coisas ninguém nota
é felicidade remota
bem camuflada na história
e no silêncio da memória."
[Basilina Pereira]

Abençoada semana! Feliz vida!
Beijos!

Basilina disse...

Obrigada, Catherine, pelo carinho da sua visita, isso me deixa imensamente feliz. Beijos.