quinta-feira, 17 de agosto de 2017

O GRITO DO SILÊNCIO

O GRITO DO SILÊNCIO

As vertentes gritam em silêncio
em sinuosas vozes crispadas, sem eco.
Aqui tão perto já houve um arco-íris!
Formou-se, luziu, encantou,
plantou a esperança num vaso sem fundo
e a chuva não veio, não veio a alegria.
Hoje uma gota flutua, sem tapete de folha,
na ausência da luz e brilho nenhum.
Mas se ainda assim ousassem buscar
a verdade legítima sem emenda ou aparas,

talvez não achassem. Quase certo que não.

Basilina Pereira

terça-feira, 15 de agosto de 2017

NÓ DE FUMAÇA

NÓ DE FUMAÇA

O que são esses momentos
que costuram a respiração pelo avesso
e lembram que a vida é também nó de fumaça,
caminho sem mapa, pilastra sem chão?
De onde vem esse quebranto
que se aloja sob a pele,
sem ruído nem medida, só silêncio,
à mercê de um tempo que não vai nem volta?
Onde coloquei a aldrava, que me permitia abrir o sol
semear a alegria no canto dos pássaros,
certa de que a noite me traria o verso bordado de estrelas?
O poema está ferido e todas as rimas jazem órfãs
dos sonhos que se perderam da poesia.

Basilina Pereira

 

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

MONÓLOGO DO FIM

MONÓLOGO DO FIM
       
Não sei de que feito o meu coração,
se de alegrias inventadas ou de tristezas indefinidas.
Acho que ninguém até hoje quis explorá-lo,
assim: como quem escava uma jazida
em busca da pedra dos sonhos.
Pode ser que o cascalho seja tanto,
que suplante o fim do dia
e o escuro que molda as relações humanas
engula a alvorada do poema.
Meus olhos são duas bocas famintas de amor.
Ao chorar pelo canto dos lábios,
envio mensagens de urgência, pedidos de socorro,
cartas postadas antes e depois da lágrima
em busca de um destinatário.
O passo seguinte é sempre um vácuo,
cravejado de perguntas esquecidas
ou, por outra, perdidas entre tantos mistérios
que dá medo traduzir
Pode ser que ninguém entenda,
ou não queira esticar os olhos até onde os fragmentos se tocam:
um lugar de encontros e despedidas.

 Basilina Pereira