sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

FRAGILIDADES

Como um passo no escuro,
assim caminha o sentimento:
pelas veredas de dentro.
Entre dúvidas e arrebatamentos,
o amor acha o seu jeito de dourar a alma,
assim como o sol matiza o horizonte toda manhã,
mesmo que em algum lugar
haja feridas congeladas no tempo.
Mas basta um passo em ladeira imprópria,
e lá se vai a frágil película...
e uma vez rompido o encanto,
é como se se o dia hibernasse em pleno verão
e a felicidade não tivesse preparado
um lugar seguro para onde ir.


Basilina Pereira

Um comentário:

Clau Assi Poesias disse...

Sempre tão lírica, Basilina querida.
Beijo ternurento
Clau Assi