terça-feira, 9 de junho de 2009

O QUE RESTOU Remexendo numa velha caixa encontrei um pedacinho do passado: dobrada numa flor estilizada uma folha amarela simples – ela – a carta que não mandei por que mesmo? Já não sei. Só me recordo de outras tantas perfumadas, desenhadas, sempre com o mesmo sinal combinado, bem do lado, símbolo daquele amor. Mas o que não partiu, chegou por outra folha de igual teor... tantos anos, a saudade e o que restou de uma flor. Basilina Pereira

3 comentários:

adelaide disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
adelaide disse...

Tuas poesias são belíssimas

Esta em especial, me encantou.

beijo

ivanete disse...

gostei muito ,gostaria de ter o orkut de basiliana .um ótima noite abençoada